Eliane Brum

É jornalista, escritora e documentarista. Trabalhou como repórter do jornal Zero Hora, de Porto Alegre, e como repórter especial da Revista Época, em São Paulo. Como jornalista, ganhou mais de 40 prêmios nacionais e internacionais de reportagem, como Esso, Vladimir Herzog, Ayrton Senna, Sociedade Interamericana de Imprensa e Rei de Espanha.
Publicou três livros de reportagem: “Coluna Prestes: o avesso da lenda”; “A Vida Que Ninguém Vê”, Prêmio Jabuti 2007; e “O Olho da Rua – uma repórter em busca da literatura da vida real”. Em 2011, o primeiro romance, “Uma Duas”, seguido por “Dignidade”, livro internacional que marca os 40 anos da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras, e agora lança “A menina quebrada” uma coletânea de suas melhores colunas de opinião no site da Revista Época.


Edla Van Steen

Nasceu em Santa Catarina. É autora de vinte e nove livros publicados, entre contos, romances, entrevistas, peças de teatro e livros de arte. Prêmios Molière e Mambembe "Melhor Autor", de teatro, pela peça O Último Encontro. Prêmio Coelho Neto da Academia Brasileira de Letras e Prêmio Nacional do Pen Club (romance Madrugada); Prêmio Nestlé de Literatura Brasileira, categoria autor consagrado (Cheiro de Amor, contos), teve publicados nos Estados Unidos os livros: A BAG OF STORIES, VILLAGE OF THE GHOST BELLS, EARLY MOURNING e SCENT OF LOVE, todos traduzidos por David S. George. Dirige oito coleções literárias na Global Editora.


Olivier Murguet

Nascido em 7 de março de 1966, é diplomado pela Escola Superior de Comércio de Paris e pela London Business School. Em 1990, começa sua carreira na Renault em Portugal, como controlador de gestão. Em 1996, assume a função de Diretor de Vendas da Renault do Brasil até meados de 1999. Na França, assume a Direção de Vendas e a partir daí, exerce sucessivamente as funções de Diretor Geral da Renault Polônia, Diretor Geral da Renault Espanha e Diretor Geral da Renault México. Em 2010 torna-se Diretor Comercial da Região Américas. Desde 1 de janeiro de 2012, é o Presidente da Renault do Brasil.


Maitê Proença

Escritora, dramaturga elogiada, atriz consagrada (cinema, teatro e televisão), cronista, produtora e viajante. Vem lançar seu terceiro livro, “É duro ser cabra na Etiópia”, contendo textos de vários autores, “de Carlos Heitor Cony ao Padeiro da Esquina”, em que foram selecionadas “bobagens sagazes, relatos absurdos, crueldades, deboches, casos sutis e elegantes, qualquer história que levasse ao riso”, imagens, desenhos e ilustrações. Seus livros anteriores, “Uma Vida Inventada” e “Entre Ossos” surpreenderam aqueles que a consideravam apenas uma das mulheres mais bonitas do Brasil.


Fábio Giambiagi

O desenvolvimento econômico é tema recorrente nas discussões sobre o futuro da economia brasileira. Nesta obra, os organizadores e uma grande equipe de autores aliam teoria, história e evidências empíricas para oferecer ao leitor um entendimento preciso da trajetória do desenvolvimento econômico do Brasil. Seus 12 capítulos podem ser divididos em três partes principais. A primeira trata do pano de fundo para as análises seguintes abordando o desenvolvimento em perspectiva teórica e comparada; a segunda parte aborda a perspectiva brasileira e o período pré 1945, o crescimento no pós-guerra e as grandes mudanças nos regimes de política econômica e ordem institucional. A parte final da obra contempla discussões da área como infraestrutura, poupança doméstica, desindustrialização e política industrial.


Dirce Clève

A obra Descobrindo Novos Horizontes trata de assuntos relacionados às atividades de Dirce Clève na Organização Soroptimista – organização internacional de serviços voluntários que conta com a participação de mulheres profissionais e de negócios que trabalham para melhorar a vida de mulheres e meninas em suas comunidades e no mundo todo. “O título do livro condiz com minha experiência como voluntária, quando meus horizontes foram se ampliando ao atuar em áreas tão distantes das minhas atribuições profissionais”, afirma a autora.

Segundo Dirce Clève, o subtítulo Construindo Pontes Para Um Mundo Melhor está ligado à área de direitos humanos, na qual trabalhou como voluntária. “A campanha de maior repercussão foi a de prevenção ao tráfico de mulheres - ´Tráfico de Mulheres, Não Deixe Acontecer´, lançada em 24 de outubro de 2001, e a Organização Soroptimista, juntamente com outras grandes organizações internacionais, foi uma das pioneiras a levar esse assunto ao conhecimento do público”, afirma a autora.


Klester Cavalcanti

A obra é o relato forte e emocionante do único jornalista brasileiro a entrar em Homs, a cidade mais afetada pela guerra. Em maio de 2012, o jornalista Klester Cavalcanti saiu de São Paulo com a missão de registrar a realidade da guerra civil na Síria, iniciada em março de 2011. Com o visto em mãos e um contato esperando-o em Homs, então epicentro do conflito entre as forças do ditador Bashar al-Assad e os rebeldes do Exército Livre da Síria, ele partiu para o país que sofria com a guerra. Seu plano era entrar em território sírio pela fronteira libanesa e acompanhar por alguns dias a ação dos rebeldes. Mas nada aconteceu como planejado. O jornalista foi preso pelas tropas do governo sírio, torturado e encarcerado por seis dias numa cela que dividia com mais de vinte detentos. Acostumado a denunciar violações dos Direitos Humanos no Brasil, o jornalista conseguiu fazer seu trabalho no ambiente inóspito da prisão, onde estavam os personagens e as histórias de vida de que precisava para retratar a guerra civil, ouvindo os tiros e explosões que vinham das ruas que viu e fotografou antes de ser capturado pelo Exército Sírio e pelas milícias do governo.


Luiz Felipe Pondé

Luiz Felipe Pondé graduou-se em Filosofia Pura pela Universidade de São Paulo. É doutor em Filosofia Moderna pela USP / Universidade de Paris e pós-doutor pela Universidade de Tel Aviv, Israel. Atuou como professor convidado nas universidades de Marburg (Alemanha) e de Sevilha (Espanha). Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da PUC-SP, professor titular da Faculdade de Comunicação da FAAP. Possui vínculos em pós-graduação com a Escola Paulista de Medicina e a UNIFESP, além de ministrar diversos cursos na Casa do Saber. Autor de “Guia Politicamente Incorreto da Filosofia” (LeYa, 2012), “Contra um mundo melhor” (LeYa, 2010), “O Homem Insuficiente” (EDUSP, 2001) e “Do Pensamento no Deserto – Ensaios de Filosofia da Religião” (EDUSP, 2009), entre outros, é colunista da Folha de S. Paulo desde 2008.


Maria Tereza Uille

Dra. Maria Tereza Uille Gomes é Secretária de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos e Presidente do Conselho Nacional dos Secretários de Justiça, Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária – CONSEJ. Foi a primeira mulher eleita como Procuradora Geral de Justiça do Estado do Paraná e a primeira mulher Presidente da Associação Paranaense do Ministério Público (2005-2007 / 2007-2009). Doutora em Sociologia pela UFPR, Mestre em Educação pela PUC e Especialista em Direito Administrativo e Direito Processual Penal.


Lygia Pupatto

Secretária de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações, foi Secretária de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, quando exerceu também a presidência do Conselho Superior da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Paraná (Fundação Araucária) e do Conselho de Administração do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). Foi diretora-presidente do Paraná Tecnologia, diretora-presidente do Simepar e membro do Conselho de Ciência e Tecnologia do Estado do Paraná. Foi Reitora da Universidade Estadual de Londrina.